OS ESPARTANOS

INTRODUÇÃO

Ao se tratar do tema Cultura Marcial, é impossível prescindir de falar de Esparta e dos espartanos. Homens valentes que nunca perguntavam quantos eram o inimigo, mas somente, onde estavam. O termo espartano se tornou ao longo do tempo sinônimo de bravura, de disciplina e de guerreiro.
Esparta foi uma cidade-estado situada no Peloponeso, Grécia. Ao contrário de suas irmãs helenas, que ostentavam grandes edifícios, monumentos, estátuas, escritos e filósofos, Esparta tinha para oferecer apenas espartanos e o seu ideal de vida, um ideal de bravura, de honra e de valor.
Mesmo nunca tendo ultrapassado os 50.000 habitantes, dos quais apenas 8.000 considerados verdadeiros espartanos, essa cidade conseguiu sustentar durante séculos a hegemonia na Hélade, graças à determinação de seus homens e mulheres. Dizia-se que o seu sucesso bélico se devia menos ao fato de serem melhores guerreiros do que os demais gregos do que a estarem mais acostumados a suportar os dissabores da guerra. Onde a psiquê de outros homens se desmantelava a dos espartanos se regozijava.
Grande parte do que chega aos dias atuais da história sobre os guerreiros espartanos é por meio de contos sobre seu estilo de vida e seus feitos heróicos, que muitas vezes chegam a parecer sobre-humanos, quando analisados pelo prisma da civilização atual. O que muitas vezes escapa nas narrativas dos historiadores antigos e modernos são os motores que permitiram aos espartanos levar essa forma de vida.
Os reis de Esparta diziam-se descendentes diretos de Herácles e sempre governavam aos pares. Havia um rei para a paz, que cuidava dos assuntos políticos e administrativos do Estado, e um rei para a guerra, que liderava as constantes campanhas militares da cidade.
A atividade dos reis era controlada por cinco magistrados, denominados “Éforos”, a respeito dos quais as informações são parcas, sabendo-se apenas que eram iniciados e que conduziram o processo de formação de Esparta.
No processo de transição entre a Esparta que era uma cidade grega como outra qualquer, que se observa nos relatos sobre a guerra de Tróia e seu rei espartano Menelau, marido de Helena, e a Esparta de Leônidas, que ficou conhecida, dentre outros episódios, pelo dos Trezentos e as Termópilas, houve um rei que teve papel preponderante: Licurgo (Likurgus).

 

 

INTRODUÇÃO

Ao se tratar do tema Cultura Marcial, é impossível prescindir de falar de Esparta e dos espartanos. Homens valentes que nunca perguntavam quantos eram o inimigo, mas somente, onde estavam. O termo espartano se tornou ao longo do tempo sinônimo de bravura, de disciplina e de guerreiro.
Esparta foi uma cidade-estado situada no Peloponeso, Grécia. Ao contrário de suas irmãs helenas, que ostentavam grandes edifícios, monumentos, estátuas, escritos e filósofos, Esparta tinha para oferecer apenas espartanos e o seu ideal de vida, um ideal de bravura, de honra e de valor.
Mesmo nunca tendo ultrapassado os 50.000 habitantes, dos quais apenas 8.000 considerados verdadeiros espartanos, essa cidade conseguiu sustentar durante séculos a hegemonia na Hélade, graças à determinação de seus homens e mulheres. Dizia-se que o seu sucesso bélico se devia menos ao fato de serem melhores guerreiros do que os demais gregos do que a estarem mais acostumados a suportar os dissabores da guerra. Onde a psiquê de outros homens se desmantelava a dos espartanos se regozijava.
Grande parte do que chega aos dias atuais da história sobre os guerreiros espartanos é por meio de contos sobre seu estilo de vida e seus feitos heróicos, que muitas vezes chegam a parecer sobre-humanos, quando analisados pelo prisma da civilização atual. O que muitas vezes escapa nas narrativas dos historiadores antigos e modernos são os motores que permitiram aos espartanos levar essa forma de vida.
Os reis de Esparta diziam-se descendentes diretos de Herácles e sempre governavam aos pares. Havia um rei para a paz, que cuidava dos assuntos políticos e administrativos do Estado, e um rei para a guerra, que liderava as constantes campanhas militares da cidade.
A atividade dos reis era controlada por cinco magistrados, denominados “Éforos”, a respeito dos quais as informações são parcas, sabendo-se apenas que eram iniciados e que conduziram o processo de formação de Esparta.
No processo de transição entre a Esparta que era uma cidade grega como outra qualquer, que se observa nos relatos sobre a guerra de Tróia e seu rei espartano Menelau, marido de Helena, e a Esparta de Leônidas, que ficou conhecida, dentre outros episódios, pelo dos Trezentos e as Termópilas, houve um rei que teve papel preponderante: Licurgo (Likurgus).

“Este é o meu escudo.
Em combate, eu o levo à minha frente,
mas ele não é só meu.
Protege o meu irmão à minha esquerda.
Protege minha cidade.
Nunca deixarei meu irmão
fora de sua proteção
nem minha cidade sem o seu resguardo.
Morrerei com o meu escudo em minha frente
enfrentando o inimigo.”

E Tan E Epi Tas – “Com o meu escudo ou sobre ele”

 

LICURGO (O ESPANTA LOBOS)

A característica bélica e disciplinada de Esparta não surgiu aleatoriamente. Até chegar a toda a sua potência, os povos da Lacônia — região da península do Peloponeso — eram organizados em tribos e coligações e começaram a adquirir as características de um povo coeso depois das migrações Dóricas do séc. IX a.C.
Nesse contexto, os reinados e as sucessões eram muito conturbados, e a luta pelo poder era constante. Foi nesse momento histórico que nasceu Licurgo, figura-chave da história espartana. Conta-se que Licurgo era um líder nato que se tornou dirigente na figura de regente no reinado de seu sobrinho, que não tinha idade suficiente para assumir o trono.
Segundo Plutarco, depois que seu sobrinho adquiriu idade para reinar, o povo clamou por Licurgo, pedindo que este não deixasse o poder. Incomodado com a situação que entendia ser pouco ética, deixou o poder para seu sobrinho e foi para Delphos consultar o deus Apolo. Pediu ao deus permissão para formar uma constituição digna de seu povo, tendo obtido resposta favorável. Licurgo então viajou por várias partes do mundo, coletando informação sobre os diversos povos da época e, depois de muitos anos, retornou a Delphos pronto para implantar novas medidas junto a seu povo.
Pediu novamente conselhos ao Deus, que lhe deu as indicações necessárias para cumprir seu intento. Retornou a Esparta e lá foi aclamado por seu povo. Em conjunto com alguns ilustres cidadãos, formulou as famosas “leis de Licurgo”, colocando-as em vigência e se preocupando mais com a aplicação da mentalidade de união e vivência das virtudes do que com as leis propriamente ditas, o que, segundo Plutarco e outros cronistas, foi o grande segredo de seu sucesso.
Foi então reformulada a cúpula do Estado, criando-se então o senado (gerusia), composto por 28 membros ilustres acima de 60 anos e os dois reis, e a assembléia do povo (apella). Na assembléia, somente os reis e os senadores podiam propor medidas. Para regular esse poder havia um colegiado de cinco éforos, com a função de observar e manter o poder dos reis e senadores dentro da mentalidade espartana. A palavra éforo vem do vocábulo “ephoriuo” que significa “supervisionar”.
A segunda reforma de Licurgo foi a partilha de terras. O país era um patrimônio comum, e as terras eram divididas igualmente sendo a luta pelas posses banida, e a busca da virtude o único objetivo restante.
Em seguida, aboliu as moedas de ouro e prata e instituiu as de ferro, atribuindo-lhes um valor insignificante em relação ao peso, de tal maneira que uma quantia considerável significava um peso absurdo de se carregar. O aço das moedas deveria ser de tal maneira isento de valor real que, assim que rubro, Licurgo mandava que fosse temperado no vinagre, tornando-o quebradiço e impossível de ser trabalhado.
Como a moeda não tinha valor entre os outros gregos, aos poucos o interesse dos estrangeiros nos negócios de Esparta e dos espartanos foi desaparecendo, da mesma forma que o dos espartanos em adquirir objetos no estrangeiro. Ninguém que visasse a dinheiro, a enriquecimento pessoal ou a vantagem para si passava perto da Lacedemônia.
Na época, os espartanos eram fechados mesmo para os outros gregos, o que gera a dificuldade de se conhecer sua cultura nos dias de hoje.
O luxo e as frouxidões da alma, que advinham da corrente alimentada pelos fatos comuns, acabaram banidos de Esparta, qual o fogo que sem material que o alimente acaba por se extinguir.
Para acabar de vez com o luxo, Licurgo fez a terceira reforma. Estipulou que os cidadãos deveriam se reunir para compartilhar o pão e o bocado que lhes foi instituído por lei e assim estipulou as refeições em comum (Syssitias). Foi-lhes proibido comer em casa, o que descaracterizou a necessidade de acumular bens, já que ninguém iria vê-los. Também com essa reforma, comer de menos ou demais passou a ser notado por todos, que acabariam censurando o cidadão que estivesse cedendo aos ditames do corpo.
Para finalizar suas reformas, Licurgo se recusou a escrever suas leis, argumentando que só teriam valor se estivessem bem incorporadas no costume do povo pelo exercício continuado, devendo ser consideradas mais como uma tradição do que como uma legislação. As pessoas deveriam buscar suas leis, não estas determinar o que as pessoas são. Essas leis, segundo Licurgo, seriam despertadas no jovem através da educação.
A educação, segundo Licurgo, é a mais bela e importante tarefa do legislador. Dentro do Estado espartano, a formação guerreira sempre teve papel de destaque. Pensando no bem do Estado, estipulou que os filhos dos espartanos não lhes pertenciam, mas sim ao Estado, essa mentalidade, por mais que aos olhos modernos possa parecer um tanto estranha, gerou uma mentalidade de união tão grande, que um espartano se considerava ao mesmo tempo pai, filho e irmão de todos.
Tal mentalidade deu à formação espartana uma conotação bem peculiar, pois cada indivíduo não visando à sua sobrevivência, mas sim à sobrevivência do Estado, deixava o melhor de si para o futuro, o que era o ideal de todo o cidadão espartano.

PHOBOLOGIA

Os espartanos talvez tenham sido os maiores, dentre todos os povos guerreiros, no estudo, na compreensão e no domínio do medo. Faziam disso uma ciência, denominada phobologia e desenvolviam técnicas e treinamentos específicos para trabalhar com o medo, tanto no que se refere a dominar o seu medo e não ser por ele dominado, quanto a infundir o terror no inimigo.

1. A Ciência do Medo

Em qualquer conflito físico, especialmente dentro de uma batalha, é indiscutível a presença de Phobos, o medo, Sabe-se hoje, pelos estudos da psicologia moderna, que o medo é um mecanismo de defesa do ser humano que permite, através da liberação de hormônios como a adrenalina, uma melhor resposta do corpo ante qualquer ação que atente contra a sua integridade. É, portanto, um mecanismo de preservação da vida.
Porém, também é a porta de entrada para o pânico, que paralisa as funções do corpo, levando-o à morte. O pânico é o contrário do medo e aparece quando este não é dominado, da mesma forma que uma simples gripe evolui para uma pneumonia se não tratada adequadamente.
Já possuindo esses conhecimentos em sua época, os espartanos eram especialistas no estudo do medo, a Phobologia, segundo eles. O quotidiano de Esparta já trabalhava constantemente com o controle do medo, havendo inclusive leis nesse sentido, por exemplo, dentre tantas outras: proibição de lamparinas e tochas durante a noite para iluminar os caminhos. Os espartanos deviam retornar a suas casas no escuro desde pequenos, ao sair de suas aulas nas syssitias. Ou a determinação de se enterrar os mortos perto dos templos para que a visão da morte fosse algo natural para os jovens.
Um dos pontos principais da phobologia espartana era o constante contato com o medo para que quando ele aparecesse, não fosse algo estranho e desconhecido. Por isso, os treinamentos e punições na formação de Esparta eram de uma rigidez impressionante.
Contavam que o medo podia ser um poderoso aliado, já que os inimigos também o sentiam. Por isso, a estrutura cerrada da falange espartana, a panoplia — denominação de seu equipamento de guerra — e a organização espartana tinham a função de infundir o medo no oponente.
Um dos princípios da phobologia era o de retirar de si o medo. Para isso, eram incentivados dois aspectos importantes da formação espartana: os cantos, que incitando a coragem e os grandes feitos enchiam o coração dos guerreiros de glória pela busca da honra; e o bom humor, cultivado em todos os momentos da vida espartana sendo o melhor método para combater o medo. Por isso a prática da mortificação era tão importante na formação dos jovens, já que estes só passavam na prova quando mostravam que o humor podia vencer as tendências instintivas. A arte dos cantos, do humor e o conhecimento de técnicas de respirações eram os pilares da Tetrathesis, os ensinamentos da aphobia.
Dentro da phobologia existem três formas de atuar apesar do medo, sendo estas a porta de entrada, em seus devidos graus, para andreia, a coragem guerreira, que nada mais é que o caminho para a extinção do medo, que só é possível com a presença de seu contrário, ponto culminante da filosofia guerreira espartana.
O primeiro patamar da luta contra o medo é o “agir apesar do medo”. Contam algumas crônicas de guerra que, quando um guerreiro se vê obrigado a lutar pela própria vida em meio à visão constante da morte ao seu redor e das atrocidades da batalha, entra num estado de amortecimento mental chamado pelos espartanos de katalepsis ou possessão. Nesse estado, o guerreiro age unicamente por instinto ou por pânico, sem inteligência ou prudência, simplesmente luta sem recear qualquer conseqüência, é a conhecida “loucura da guerra” a que se referem os cronistas das guerras modernas. No estado de katalepsis, o guerreiro podia realizar grandes feitos, mas nunca eram reconhecidos por coragem e valentia, pois aquele estado é próprio dos animais encurralados que, sem ter qualquer alternativa, se lançam ao combate por mero instinto de sobrevivência. Em Esparta esse estado era criticado e não louvado.
O segundo patamar da phobologia é o “vencer o medo”. Devido à forma de vida dos espartanos e da eterna busca pela virtude de que Licurgo incumbiu seus cidadãos, o medo de desonrar seus pais, seus familiares, seus amigos, e a si mesmos e sua cidade era mais incisivo do que o medo da morte na guerra. Por isso, há muitos relatos de guerreiros que preferiam morrer em combate ao invés de retornar à pátria subjugados pelo adversário. Por mais que esse agir seja mais nobre do que a katalepsis, já que nele se encontra uma racionalização e não um mero instinto, ainda assim é agir por medo e não pode ser confundido com andreia, a virtude guerreira por excelência, que gera condições para suprimir o medo.
O terceiro patamar da phobologia, diferente do agir por medo da desonra é o “agir por cobiça de glória”. Por ser uma atitude mais nobre e mais adequada aos padrões de comportamento humano, era muito louvada em Esparta por estar muito mais perto de andreia do que as anteriores, manifestando-se em atos de bravura incomuns, nos indivíduos que conseguiam desenvolver esse patamar. Segundo os relatos históricos, era esse o espírito presente nos ganhadores olímpicos, que tinham como recompensa o privilégio de lutar ao lado do rei como seu protetor. Plutarco conta que um comerciante quis oferecer riquezas a um espartano que ganhara o concurso olímpico, e este recusou sua oferta; indignado, o comerciante lhe perguntou o porquê de tanto esforço, já que não haveria recompensa, e o espartano respondeu que sua única recompensa seria lutar ao lado do rei!
Por mais que essa mentalidade coloque os guerreiros num grau de bravura sobre-humano e lhes possibilite desenvolver feitos memoráveis, a cobiça por glória ainda é um ato egoísta e não pode ser própria dos Deuses. Já que phobos — o medo — sendo próprio do mundo da matéria nasce da carne, tendo o corpo como sua fábrica, a aphobia — o destemor — é própria do divino e tem na virtude seu nascimento. O guerreiro que desenvolvesse essa mentalidade era coberto de honras, pois desenvolvia no mundo concreto uma característica divina, sendo esse o principio para se denominar uma pessoa como semi-Deus.
As tradições indicam que a essência da virtude guerreira está no feminino, sendo justamente o feminino que impulsiona os atos nobres, em todas as tradições. Isso pode ser claramente observado nos contos antigos, medievais e contemporâneos, assim como no próprio gênero das palavras utilizadas pelos espartanos para denominar a coragem guerreira: andreia, e o destemor: aphobia, enquanto denominavam de forma masculina o medo: phobos, e o temor: tromos.
Para um espartano o exemplo dessa bravura superior estava justamente na figura feminina de suas mães e esposas, pois nada mais natural ao feminino que proteger sua prole. Era muito marcante para os guerreiros espartanos verem suas mães, esposas e filhas os observarem a caminho da morte e permanecerem impassíveis, subjugando seus instintos e doando o que tinham de mais precioso para algo maior, o Estado.
É justamente nesse ponto que surge o quarto e último patamar que leva à aphobia: “o domínio”. É justamente quando se consegue calar os instintos e tendências que se expressa o que existe de melhor em cada um. Esse domínio, projetado no combate, coloca o guerreiro num patamar superior ao comum. Nesse estado, ele domina todas as reações de seu corpo de forma inteligente e não sofre com as influências do combate, entrando em contato com andreia, pois nada há de egoísta em seus atos já que nada do que faz se reflete em si mesmo. Esse estado só pode ser alcançado quando as ações são direcionadas a algo maior, a um ideal que, por ser transcendente e arquetípico, é próprio do divino, sendo o ponto de contato do guerreiro com os Deuses.
Esse é o ponto máximo do guerreiro, quando ele age não por si, mas por algo maior, sem se preocupar consigo mesmo. Esse estado só pode ser vivenciado quando está presente no íntimo do guerreiro um amor profundo por seu ideal, e é justamente o amor, para os espartanos, o contrário do medo, o ponto mais alto e mais cheio de glória a que um ser humano pode chegar através da doutrina da guerra, simbolizado na mitologia pela união íntima de Afrodite, o amor, com Ares, a guerra. Somente o amor pode vencer o medo. Portanto, aquele que luta, ao mesmo tempo, nutre grande amor por todos que estão ao seu lado, inclusive por seu inimigo.
Talvez seja por esse amor que os espartanos tenham realizado os feitos heróicos que realizaram. Talvez seja por isso que quanto mais se conhece desses nobres guerreiros, mais eles fascínio exercem. E, certamente, é por esse amor ao seu ideal de coragem e de virtude que a civilização Grega foi protegida veementemente tantas vezes por seus cidadãos, proporcionando que o mundo moderno seja como é hoje.

2. Treinamentos e técnicas

Dentro da phobologia dos espartanos, várias técnicas eram treinadas para controlar o seu medo e empregadas para infundir medo nos adversários. Uma delas era polir à exaustão seus escudos, elmos e as pontas das lanças, que mediam trinta centímetros. Ao longe, as armas dos espartanos, polidas como espelhos, refletiam o sol de maneira cintilante, dando a impressão ao inimigo que sua formação era composta mais de bronze e ferro do que de homens.
Era visível a diferença entre a formação de outros exércitos e a dos espartanos. Enquanto aquelas pareciam ouriços, com as lanças trêmulas chegando a tocar-se, reproduzindo de forma amplificada o som dos próprios dentes dos soldados, que batiam de medo, o tremor das plumas dos elmos encarregava-se de conferir um aspecto visual ao medo. Dentre os espartanos, viam-se lanças perfeitamente alinhadas na posição vertical, imóveis, denotando a segurança de quem iria destruir o inimigo, o que só fazia causar neste medo profundo. Inclusive a posição das lanças espartanas guardava um significado: quando estavam em guerra, deixavam as lanças para cima, ao passo em que quando estavam em paz, as lanças apontavam para baixo.
Sobre os elmos dos espartanos, havia uma altiva crista de crina de cavalo, que tinha por objetivo dar a impressão de uma estatura mais elevada e intimidadora do que a que tinham e ainda lhes conferia um aspecto de terror difícil de ser transmitido em palavras.
Também o desenho dos seus elmos fazia parte desse teatro de horror. As fendas para os olhos, que não permitiam que estes fossem vistos, com a proteção nasal de bronze da largura de um dedo e as largas maçãs do rosto, lhes davam o aspecto de uma falange de autômatos, de criaturas desalmadas, vindas diretamente do inferno, do Hades, para disseminar a morte de forma impiedosa. Seres indestrutíveis e impávidos que cairiam sobre o inimigo para dizimá-lo cruelmente.
Para o controle do seu próprio medo, os espartanos desenvolveram técnicas de treinamento, compreendendo vinte e oito exercícios, cada um deles focando um nexo do sistema nervoso. Os cinco nexos primários são os joelhos e jarretes, pulmões e coração, a genitália e intestinos, a parte inferior das costas, e a área dos ombros, sobretudo os músculos trapézios, que unem a articulação do ombro ao pescoço.
O rosto compunha um nexo secundário, para havia mais doze exercícios, especificamente para os músculos do queixo, do pescoço e os quatro constritores oculares ao redor da cavidade dos olhos. Os espartanos deram a esses nexos o nome de “acumuladores de medo” (phobosynakteres).
Segundo a disciplina espartana, é no corpo que o medo nasce e é aí que deve ser combatido. Se o corpo é tomado, cria-se um “circuito de medo” (phobokyklos), que se autoalimenta criando uma incontrolável corrente de pânico. Portanto, se com o treinamento se lograsse colocar o corpo em estado de destemor, a mente o acompanharia.
Um treinamento específico para isso era bater com um ramo de oliveira no rosto do soldado, até que seus músculos da face, dos ombros e trapézios não mais se contraíssem involuntariamente. Também se tocavam os pontos ao redor dos olhos, região que concentra mais medo em todo o corpo humano, tendo o reflexo defensivo mais alerta para proteger a visão. Esses reflexos deviam ser descondicionados, para que, numa atitude consciente, o soldado espartano não mais reagisse e nem sequer piscasse diante de um golpe.
Outra técnica bastante utilizada na Lacedemônia para o domínio do medo era o canto, pois que diretamente relacionado ao coração (onde reside a coragem) e aos pulmões (que vão permitir o controle da respiração). Os guerreiros lacedemônios sempre cantavam ao avançar para o combate, pois assim abriam a garganta e engoliam o ar, de modo a ativar os pulmões até os acumuladores cederem e romperem a constrição do medo. Além disso, a tranqüilidade que transpareciam ao cantar diante da morte também servia para atemorizar o inimigo.
Com todo o treinamento de phobologia, o guerreiro espartano buscava atingir um estado de “harmonia interna” (esoterike harmonia), uma serenidade atingida por quem abriu mão de tudo que é supérfluo em seu espírito, até vibrar no timbre exclusivo que o seu daimon determina. Essa era a suprema personificação da virtude andreia, mais valorizada que a própria bravura em combate.
Também havia a busca de uma harmonia externa (exoterike harmonia), que era um estado de união com os companheiros, como um coro de vozes, no seu musical. Na batalha, essa harmonia guiava a falange em seus movimentos e ataques como se fosse um único organismo, com uma única mente e vontade. Na política, a exoterike harmonia cria uma cidade de concórdia e unidade, em que cada indivíduo garante sua expressão de caráter mais nobre, doando-a aos outros, todos obedientes às leis.
Os espartanos eram instruídos a considerar o adversário como sem nome e sem rosto. Em sua mente, era sinal má preparação e amadorismo utilizar nos momentos que antecedem uma batalha o que chamavam de pseudoandreia, “falsa coragem”, isto é, o frenesi marcial inflado artificialmente, produzido por uma arenga, na última hora, de um general ou alguma bravata alardeada, batendo no escudo, ou algo parecido.
O bom humor também era considerado um aspecto muito importante no domínio do medo. Por isso, havia um treinamento denominado “mortificação” (arosis), que consistia em um dos Pares, nas cantinas, escolher um dos jovens e insultá-lo oralmente da maneira mais severa e impiedosa, ou mesmo impor-lhe surras físicas, com o propósito de disciplinar os sentidos para fortalecer a vontade contra a reação com raiva e medo, as forças gêmeas desvirilizadoras, que compreendem o estado chamado katalepsis, “possessão”. A resposta buscada é o humor. O jovem em treinamento tinha que conseguir chegar a rir na cara do seu ofensor, pois uma mente que consegue manter sua leveza não se desintegrará na guerra.
Tanto a mortificação quanto as surras poderiam parar no momento em que o jovem quisesse. No primeiro caso, havia o limite do próprio ofendido contra as ofensas que lhe eram dirigidas, enquanto nas surras o limite era físico. Neste caso, era bastante comum que o jovem desfalecesse antes de pedir para cessar e treinamento.
Além do treinamento específico para controle do medo, desde muito cedo, os espartanos eram educados segundo a tradição, para uma formação guerreira. A educação marcial é outro ponto de contato entre este impressionante povo e outras culturas guerreiras. Sobre isso se falará a seguir.

TRADIÇÃO E FORMAÇÃO GUERREIRA

A formação espartana nas artes da guerra permeava todo o seu sistema de educação, começando muito cedo. Esse trabalho era centrado mais na mentalidade do que em técnicas de combate, pois para eles “na guerra, a prática das armas conta pouco, a coragem é quem manda”. Por mais que as práticas de guerra fossem executadas incontáveis vezes durante a formação guerreira do cidadão e ainda depois disso e que, indiscutivelmente, os espartanos tenham sido mestres na técnica, na tática e na estratégia, todo esse treinamento tinha um objetivo maior: desenvolver uma mentalidade comum, gerar ao longo do tempo uma filosofia guerreira que ia para além da prática da guerra, que se estendia para a vida de cada membro do Estado.
Ninguém em Esparta ficava de fora dessa mentalidade, incluindo crianças e mulheres. Estas, afirmam os historiadores, além de serem as mais belas de toda a Grécia, também eram as mais fortes. Há um episódio que fala de uma mãe que, ao ser informada de que seus cinco filhos haviam morrido em combate, perguntou se a nação saiu vitoriosa, ao ouvir a resposta afirmativa disse: “Então estou feliz!” e saiu sem derramar uma lágrima. Em outra passagem, Gorgo, mulher de Leônidas, dialoga com uma estrangeira que lhe diz: “parece, que as espartanas são as únicas mulheres a mandar nos maridos” e ela responde: “é porque somos as únicas que parimos homens”.
O treinamento militar das crianças começava aos sete anos. Os meninos eram repartidos em grupos denominados (agelai), que a partir de então viviam e comiam juntos, com todos os trabalhos e brincadeiras em comum. À testa de cada grupo se colocava o mais astuto e ágil, e era sua responsabilidade comandar o grupo.
Porém, já ao nascer, os meninos espartanos eram mergulhados na água gelada do rio Eurotas. Esse choque térmico fazia ativar várias relações no corpo da criança e ao mesmo tempo já a fazia perceber, ainda que inconscientemente, a agrura do mundo em que acabava de entrar.
Os anciãos observavam de perto os grupos, para verificar a conduta de todos. Os eventuais desvios e abusos de poder eram severamente castigados. O estudo das letras limitava-se ao estritamente necessário, o restante da instrução consistia em aprender a obedecer, suportar pacientemente a fadiga e vencer no combate. Por isso mesmo, à medida que cresciam, mais duros iam ficando os treinamentos — raspava-se-lhes a cabeça, caminhavam descalços, etc.
Aos 12 anos, deixavam a túnica e recebiam um único manto para o ano todo. Durante a fase do treinamento andavam sujos, ignoravam banhos e massagens, exceto em raras ocasiões especiais. Dormiam juntos em esteiras fabricadas por eles mesmos sem o auxílio de ferramentas. Nessa idade, os velhos os vigiavam ainda mais e compareciam freqüentemente aos ginásios para assistir às lutas e disputas. Além de todos os adultos já as ensinando, às crianças era designado um professor de crianças (pedômono), que era um jovem recém saído da idade infantil, com cerca de 20 anos (eirene).
Os eirenes comandavam as crianças de seu grupo em exercícios de combate e em casa utilizavam-nos para a preparação dos repastos: os mais jovens traziam legumes, e os mais velhos e fortes lenha. Nada lhes era dado e para conseguirem o que comer, era necessário roubar as mercadorias, o que incentivava a esperteza e a astúcia, além de incutir uma mentalidade de aproveitamento das oportunidades e de percepção do quão nocivo podia ser não permanecer atento. Entretanto, caso alguma criança fosse apanhada roubando, a punição era o chicote e o jejum.
Há uma passagem em que um menino havia roubado uma pequena raposa, escondendo-a dentro do seu manto. Quando caminhava para o seu alojamento, se deparou com dois sentinelas, que o pararam. Os dois não se haviam apercebido do que o menino carregava, estavam apenas conversando. A conversa já durava algum tempo, quando o menino caiu. Estava morto. A raposa lhe havia mordido o ventre e comido suas entranhas até que o garoto não suportou e desfaleceu. Foi só então que os soldados perceberam do que se tratava, pois o menino não soltara sequer um gemido e dissimulara a dor que estava sentindo.
Depois do jantar, o eirene propunha que alguma criança cantasse, ou propunha questões que exigissem uma resposta ponderada como “qual o melhor guerreiro da cidade”, ou a sua opinião sobre o ato de alguma pessoa. A resposta deveria ser bem formulada, com razões e justificativas, em termos claros e incisivos. Os que davam respostas pouco dignas eram castigados.
Os castigos distribuídos pelos eirenes eram geralmente realizados na presença dos anciãos que assim podiam avaliar se havia justiça nos critérios. Os anciãos não se opunham às punições, mas caso verificassem falta de critério, quando as crianças fossem embora, o eirene deveria prestar conta do rigor excessivo ou da demasiada indulgência.
Dentro do sistema de punição espartano, era comum colocar a criança segurando uma barra de ferro cravada na terra ao lado do templo de Ártemis (Órthia). Nessa posição, o eirene açoitava a criança com uma vara de vidoeiro da largura de um polegar humano, enquanto uma sacerdotisa de Ártemis segurava imóvel uma estátua que seria receptora do sangue derramado. O garoto podia encerrar a punição a qualquer momento largando a barra e caindo no chão. Algumas crônicas contam que freqüentemente as crianças só largavam a barra depois de desmaiadas.
Outra forma de insensibilizar os garotos contra a dor eram treinamentos de oito noites (Oktonyktia) no verão em que se simulava uma campanha de guerra. Durante esse treinamento, era distribuída apenas meia porção de vinho nos quatro primeiros dias, só água nos dois próximos e nada para beber nos dois últimos, sendo sua alimentação à base de pedaços de pão duro de linhaça e figos. Esse treinamento tinha como objetivo principal minar os jovens ao extremo, pois se dizia que “o verdadeiro teste acontece quando toda a força se esvai, e os homens têm de conquistar a vitória sozinhos”.
Os eirenes também ensinavam os garotos a serem breves e concisos em seus discursos, e seu ambiente de treinamento os incentivava a professar grandes idéias de maneira espirituosa, cheias de malícia e graça. Para se atingir a agilidade da palavra nas respostas, era imposto às crianças um longo período de silêncio enquanto se lhes ensinava o valor da palavra.
Nas crônicas sobre o modo de vida dos espartanos, há vários exemplos da perícia que tinham com o discurso. A linguagem costumeiramente empregada pelos espartanos era bastante concisa e objetiva, dizendo em poucas palavras apenas o que precisava ser dito, afinal numa batalha não há tempo para grandes discursos, e os comandos devem ser precisos e objetivos. Essa linguagem “lacônica” — assim denominada em virtude da região em que viviam, a Lacônia — passou a ser sinônimo, nos idiomas modernos de brevidade e concisão, mas jamais de vagueza ou imprecisão, como às vezes o termo é erroneamente empregado.
Certa feita, Carilau, sobrinho de Licurgo, foi indagado sobre por que seu tio fizera tão poucas leis, ao que respondeu: “quem fala pouco não precisa de muitas”. Como em outra oportunidade, ao ser importunado constantemente por um poeta sobre quem era o melhor entre os espartanos, Demarato respondeu: “aquele que parece menos com você”. Ou Agis, ouvindo os Eleus se gabarem da honestidade com que conduziam os jogos olímpicos: “que maravilha! Ser justos um dia a cada quatro anos!”. Um egípcio perguntou aos espartanos certa feita por que usavam cabelos tão longos, Olympieus respondeu, citando o legislador Lykurgus: “Porque nenhum outro adorno torna um homem belo mais atraente, e um outro feio mais aterrador. E de graça.” Por exemplos como esses, ser “lacônico” passou a ser empregado por alguns como adjetivo às pessoas consideradas “ásperas”, mas, como diz Plutarco: “laconizar é antes amar a sabedoria do que desenvolver músculos”.
Como parte de sua educação, as crianças eram levadas para assistir aos repastos coletivos, o que servia como uma escola de temperança. Lá podiam ouvir sobre política, atos heróicos, além de aprenderem a manter o centro e a calma perante os escárnios dos mais velhos, na prática já mencionada da “mortificação”. Nessas ocasiões, as crianças não podiam demonstrar aborrecimento, e a resposta desejada era o humor. O objetivo do exercício era o de, assim como os exercícios físicos, doutrinar os sentidos para fortalecer a vontade contra as reações de raiva e medo, que compreendem o estado de Katalepsis.
Analisando essa forma de educar, Plutarco comenta que “tolerar ironias era uma qualidade específica dos Lacedemônios”. Por mais que para os olhos modernos isso possa parecer estranho, se alguém se sentisse ofendido durante uma dessas instruções, simplesmente pedia ao interlocutor que parasse, o que este imediatamente fazia, estando definido assim o limite daquele indivíduo.
As pessoas se moldam pelos exemplos que têm, seguindo-os como modelos ou arquétipos. Portanto, toda essa convivência guerreira, desde a mais tenra infância, tornava impossível para um espartano não ser grande, já que todos os modelos que tinha eram de grandes homens e grandes guerreiros.
Tudo o que acontecia nos banquetes tinha caráter formativo e por isso essa instituição era muito bem regulada pelas leis de Licurgo, sendo seu porta-voz direto o mais velho entre os convivas. Antes de começar o banquete sempre dizia a todos o que estava escrito nas placas esculpidas nas entradas dos refeitórios: “Exo tes thyras oudem”, ou seja, nada do que acontecesse naquele recinto poderia ser comentado fora dali. Era um voto tácito de segredo e sigilo das conversas e práticas realizadas entre guerreiros.
Para entrar no grupo de convivas, o jovem se candidatava e sua escolha era examinada pelos já aceitos da seguinte maneira: cada um apanhava uma bolinha de pão e a arremessava silenciosamente, como um voto, num vaso. Aqueles que aprovassem o novato mantinham suas bolinhas intactas, aqueles que não, as achatavam com os dedos. Se houvesse uma única bola achatada, ele não era aceito. Para manter o espírito de união, todos deveriam estar contentes por estarem juntos.
Entre os espartanos, o ato da guerra era desmitificado e despersonalizado através do seu vocabulário. A mesma palavra que significa penetração (no sentido sexual) também tem a conotação de “triturar”, como uma pedra de moleiro. As três fileiras da frente “penetram” ou “trituram” o inimigo. O verbo “matar”, theros em dórico, significa o mesmo que “ceifar”. Os guerreiros da quarta à sexta fileira às vezes eram chamados de “ceifadores”, tanto pelo trabalho que faziam no inimigo pisoteado com os “perfuradores de lagartos”, as pontas de suas lanças de dois metros, quanto pelo golpe inclemente desferido com a curta espada xiphos, muitas vezes chamada de “segadora”. Decapitar um homem era “concluí-lo” ou “fazer-lhe um corte de cabelo”. Amputar um braço ou mão era chamado de “desmembrar”.
Já na idade madura, o espartano encarnava ainda mais a mentalidade de que não pertencia a si mesmo, mas sim ao Estado. Uma constatação disso é a forma de sua cidade, que se parecia, propositadamente, com um acampamento militar, o que além de cortar todos os luxos, os mantinha sempre na mentalidade de guardiões do Estado, como colocado na República por Platão, sempre prontos a defender seu ideal guerreiro.
Tanto assim que o símbolo que os espartanos adotavam era uma abelha. Orgulhavam-se de dizer que no campo de batalha queriam estar tão perto do inimigo que este pudesse ver claramente esse símbolo, que estava gravado em seus escudos em tamanho natural.
Essa mentalidade era tão presente que um espartano adulto considerava falta de compromisso com a cidade qualquer ofício que não estivesse ligado com a guerra e com a educação para a guerra. Diz Plutarco que “quando não deviam fazer outra coisa, supervisionavam os jovens e davam-lhes lições úteis, ou então eles próprios procuravam os anciãos para se instruir”.
Devido à criação que tiveram de infância, os espartanos maduros desenvolviam a busca pela virtude como uma constante em sua vida, já que sabiam que sempre serviam de exemplo para os mais jovens e que deveriam sempre honrar os heróis de batalhas que se sentavam ao seu lado nas syssitias. Essa mentalidade se estendia para todas as questões de que um espartano participava, da vida particular à vida pública.
A constante busca da virtude e a abundância de oportunidade para demonstrá-la na sociedade favoreciam o florescimento não de pessoas, mas sim de heróis.
Isso se traduzia em questões práticas bastante simples, como por exemplo usar pouca roupa durante o ano todo. Os espartanos não se agasalhavam quando tinham frio, desenvolvendo então uma resistência impressionante às baixas temperaturas. Ou então, de forma mais genérica, obedecer ordens, resistir a fadigas e vencer em combate. Simples assim eram as pretensões dos espartanos. Porém, para executá-las bem, quanta disciplina e treinamento eram necessários.
Para um guerreiro espartano, havia alguns códigos que eram tidos como leis sagradas:
• Preservar a liberdade mais que a vida.
• Abster-se do prazer em nome da virtude.
• Suportar dor e sofrimento em silêncio.
• Obedecer ordens irrestritamente.
• Buscar os inimigos da Grécia onde quer que estivessem e combatê-los destemidamente até a vitória, ou a morte.
• Nunca faltar com a palavra.

Há dois episódios que ilustram bem a importância da obediência e da necessidade de manter a coragem do início ao fim de uma batalha. Certa feita, durante uma luta assaz renhida, quando todas as armas já haviam sido postas de lado e um espartano estava em luta corporal com seu inimigo, passou a morder a perna deste. O inimigo se revoltou: “Espartano! O que você está fazendo mordendo minha perna?! Parece uma mulherzinha! O espartano respondeu, sem perder a pose: “Mulherzinha não! Leão!”. Pouco importava a condição em que já estivesse, a coragem e a postura de guerreiro tinham de ser mantidas. Em outra oportunidade, um espartano já havia dominado seu oponente e se preparava para concluí-lo com o último golpe de espada, quando soou o toque de cessar e reagrupar. O espartano conteve o golpe e não matou aquele inimigo, que estranhou: “Espartano, você não vai me matar?”, a que o espartano respondeu: “Só há uma coisa melhor do que matar um inimigo: é obedecer ao meu strategos”. Esse sentido de obediência irrestrita e de controle de suas próprias ações mesmo em condição extremas foi uma das mais importantes chaves do sucesso bélico de Esparta.
Na cerimônia em que um guerreiro espartano recebia seu escudo, muitas vezes das mãos de sua própria esposa, ouvia as cinco palavras que estão na epígrafe deste texto e devia lembrá-las sempre: “E Tan E Epi Tas” (volte vitorioso com este escudo, ou morto sobre ele). Dentre todas as armas de um guerreiro espartano, o escudo era considerado a mais importante e sagrada, porque tinha por objetivo não defender aquele que o portava, mas sim o companheiro que estava ao seu lado, a linha espartana, e assim, simbolicamente, toda a cidade. O espartano podia, em meio a uma batalha, deixar cair sua lança, sua espada, seu elmo ou mesmo seu peitoral, mas jamais o seu escudo, o que era punido com a morte.
O escudo devia ficar sempre levantado, com a manga do antebraço e o punho preparados. Se um guerreiro ficasse em pé em descanso, seu escudo devia ficar escorado em seus joelhos. Se ele se sentasse ou se deitasse, devia deixar o escudo erguido na base de tripé, um tripé leve que todos levavam na concavidade do seu manto.
Esse sentido de unidade das linhas espartanas e de todo o seu exército tinha grande importância para o seu sucesso na guerra. Compreendiam que ser corajoso quando isolado era uma dádiva apenas dos deuses e heróis. Para os homens mortais, havia apenas um modo de reunir coragem: nas fileiras, com seus irmãos de armas, como parte de sua cidade. Um homem só, sem cidade, era digno apenas de dó, sem os deuses de sua terra e sem a sua polis. Um homem sem uma cidade não é um homem, é um fantasma sem identidade, a vagar perdido sobre a terra.
Dentro desses códigos de guerra, também era proibido ao espartano, sob qualquer circunstância, voltar as costas para seu inimigo. Há relatos sobre uma mãe espartana que matou o filho quando viu que este voltara com um ferimento nas costas.
À parte a formação da mentalidade guerreira cultivada pelos espartanos, também havia treinamentos específicos para diversas situações. No exercício chamado “carvalho”, alguns defensores se posicionavam ao longo de uma série de carvalhos, com escudos de vime da extensão do corpo firmados sobre a terra, e as tropas de choque faziam carga. Os defensores tinham a sensação de ser atingidos por uma parede de pedra, os joelhos dobravam-se como árvores novas, toda a coragem os abandonava; era uma sensação de morte por esmagamento. Em compensação, numa batalha real, ninguém suportava melhor do que os espartanos uma carga de infantaria.
Havia outro exercício que tinha por objetivo uma antecipação da ação noturna, feito na escuridão total, com o propósito primordial de treinamento para pisar firme, para orientação pelo tato no interior da falange e para a ação sem visão, particularmente sobre um solo irregular. Os espartanos acreditavam que um exército devia ser capaz de alinhar as tropas e manobrar tão habilmente não enxergando quanto com visão, pois, na poeira e terror do embate inicial da batalha, e a conseqüente desordem terrível, nenhum homem conseguia ver além de um metro e meio em qualquer direção, nem ouvir sua própria voz, quanto mais a de seu comandante. Assim sendo, era primordial para vencer uma batalha manter a unidade e a organização em meio ao caos, o que poucos exércitos logravam fazer, dando-lhes grande vantagem no primeiro choque das fileiras de infantaria.
Para muitas pessoas, inclusive outros povos helenos da mesma época, havia a idéia equivocada de que o treinamento militar lacedemônio era extremamente brutal. Deve-se ter em conta que aquela disciplina fazia parte da sua cultura, e estavam habituados a isso desde o berço. Ademais, todo o seu rigoroso treinamento era temperado de muito humor, chegando a uma hilaridade implacável durante os exercícios, que de outra forma seriam estafantes. Os homens faziam piadas desde o toque da alvorada até a hora do encerramento. Mesmo já deitados para descansar, podiam-se ouvir, por minutos, bate-papos em sussurro e risadas vigorosas pelos cantos do campo, até que o sono chegasse para livrá-los da estafa de um dia de treinamento ou de batalha.
Esse humor peculiar dos soldados era gerado pela experiência da penúria compartilhada. Se se perguntasse para um soldado espartano num acampamento de campanha qual a diferença entre ele e um rei espartano, ele certamente responderia que era que o Rei dormia naquela fossa ali adiante, enquanto ele soldado dormia nesta aqui.
Havia, no entanto, situações de treinamento que tinham por objetivo levar o soldado para além do ponto de humor, como no já citado treinamento das oito noites. É quando as piadas cessam, que as verdadeiras lições são aprendidas e que cada homem e o regimento como um todo faz aqueles avanços mágicos, que culminam na provação definitiva. O rigor dos exercícios objetivava mais endurecer a mente do que fortalecer o corpo. Os espartanos diziam que qualquer exército pode vencer enquanto ainda tiver suas pernas no lugar; o verdadeiro teste acontece quando toda a força se esvaiu, e os homens têm de conquistar a vitória sem o corpo.
Os espartanos viam a guerra como trabalho e não mistério. Por isso, ao contrário de outros generais, os strategos espartanos não faziam discursos inflamados antes das batalhas, com o intuito de provocar um estado mental de falsa coragem, que sabiam desapareceria tão logo perdessem o contato visual com o rei e sua energia revigorante. O Rei dava aos generais instruções práticas, prescrevendo atitudes que poderiam ser tomadas fisicamente, com efeitos concretos e imediatos.
Que sempre cuidassem da aparência, mantendo o cabelo, mãos e pés limpos. Que comessem, se houvesse algo para comer, dormissem ou fingissem dormir. E jamais deixassem seus homens os verem inquietos. Se chegassem más notícias, deviam ser transmitidas primeiro àqueles de patente superior, nunca diretamente aos homens. Que instruíssem os escudeiros a polir o escudo (aspis) de cada homem até brilhar o máximo possível, pois a visão dos escudos cintilando como espelhos infundiria terror no inimigo. Que deixassem tempo para os homens afiarem suas lanças, pois aquele que afia seu aço, afia sua coragem.

TERMÓPILAS

Um capítulo importante e emblemático da história dos espartanos foi a batalha das Termópilas, que teve lugar quando o rei Xerxes da Pérsia invadiu a Hélade (Grécia) com um exército de mais de um milhão de homens. A marcha veio do norte pela Tessália e teria que necessariamente passar pelo estreito desfiladeiro das Termópilas para ganhar a península do Peloponeso e destruir as principais cidades gregas.
As cidades, principalmente Esparta e Atenas, que rivalizavam pela hegemonia entre os povos gregos, se uniram contra o inimigo comum. Coube aos espartanos, juntamente com alguns aliados de outras cidades, a defesa desse local, com o intuito de reter o máximo possível o avanço do gigantesco exército persa, dando tempo aos gregos de se organizar para uma defesa mais eficiente.
Os gregos aliados reuniram cerca de cinco mil homens e aguardavam ansiosamente a chegada dos reforços espartanos, a quem caberia o comando dessa campanha. Surpreenderam-se quando o rei Leônidas chegou acompanhado de apenas trezentos soldados. Alguns questionaram, afirmando que eram poucos, ao que Leônidas respondeu que eram trezentos guerreiros, ao passo que aqueles aliados que estavam diante dele eram camponeses, alfaiates ou arquitetos, estando portanto, em termos de guerreiros, os espartanos em maioria.
Na verdade, Leônidas havia prometido reforços aos aliados em Atenas, mas o senado de Esparta recusava-se a deliberar a aprovação de um contingente antes do término das festas cívicas na Lacedemônia, período em que o senado não deliberava. Ciente da urgência da situação e da palavra empenhada, Leônidas reuniu sua guarda pessoal, dos trezentos melhores homens de Esparta, para dirigir-se às Termópilas. Quando saía, um dos senadores lhe perguntou se trezentos não eram poucos homens para vencer uma batalha. Leônidas respondeu: “Para a vitória somos poucos, mas para a morte somos muitos!”
Leônidas e os seus trezentos estavam plenamente cientes do funesto destino que os aguardava. Não havia vitória possível sobre o exército persa. A única vitória seria morrer com honra e permitir que a Hélade se reerguesse contra o inimigo oriental, para rechaçá-lo de volta às suas terras.
O rei espartano era querido por seus oficiais, soldados de sua guarda e soldados rasos, que o viam, com quase sessenta anos, sofrer cada fração da penúria por que passavam. E sabiam que, quando chegasse a hora do combate, ele assumiria o seu lugar, não em segurança, na retaguarda, mas na linha de frente, no local mais violento e arriscado do campo.
Termópilas era um balneário. A palavra em grego significa “portões quentes”, por causa das fontes termais e dos desfiladeiros estreitos e escarpados que formam as únicas passagens pelas quais é possível se chegar ao local. O Muro Phokiano, em torno do qual tantos dos combates foram travados, não foi construído pelos espartanos e seus aliados no evento, mas já existia antes da batalha, tendo sido erigido no tempo antigo pelos habitantes de Phokis e Lokris como defesa contra as incursões de seus vizinhos do norte, os tessálios e macedônios. O muro, quando os espartanos chegaram para tomar posse do estreito, estava em ruínas. Eles o reconstruíram.
Nessa ocasião, os relatos dizem que Leônidas simplesmente apanhou uma pedra grande e caminhou até um determinado lugar. Ali, pôs a pedra. Ergueu uma segunda e a pôs do lado da primeira. Os homens observavam atônitos seu comandante-em-chefe, curvar-se para pegar uma terceira pedra. Alguém berrou: “Quanto tempo pretendem, imbecis, ficar olhando boquiabertos, enquanto o rei constrói o muro sozinho?”
Com animação, os soldados começaram então a ajudar na construção, mas o rei não interrompeu seus esforços quando viu outras mãos participarem do trabalho, mas prosseguiu junto com eles enquanto a pilha de pedras começou a se erguer e formar uma legítima fortaleza. Mas dizia aos homens para não terem a ilusão de que um muro de pedras preservaria a Hélade, pois esse era o trabalho para um muro de homens.
Essa tônica de comportamento de Leônidas se manteve durante toda a batalha, o rei trabalhava diretamente com seus guerreiros, não se esquivando de nada, fazendo uma pausa para se dirigir a eles individualmente, chamando-os pelo nome se os conhecia, memorizando os nomes de outros que até então lhe eram desconhecidos, tratando-os como camaradas e amigos. Tais palavras, ditas a dois ou três homens, rapidamente se alastravam por todo o acampamento, retransmitidas de guerreiro a guerreiro por toda a linha, enchendo de coragem o coração de todos eles.
O exército dos Persas era realmente imenso, concordando a maior parte dos historiadores que tinha cerca de um milhão de homens — embora alguns pensem que chegava aos dois milhões. Dizia-se que quando os soldados persas passavam secavam os rios, quando acendiam fogueiras de acampamento eram mais numerosas que as estrelas no céu. Questionado sobre isso por um dos comandantes aliados, Leônidas responde: “Ótimo, quando garoto, eu sempre quis tocar as estrelas com a minha lança”. Da mesma forma, quando recebeu o anúncio de que os inimigos estavam avançando, respondeu: “Ótimo, isso significa que estamos nos aproximando.”
Várias outras frases foram eternizadas pelos historiadores, inclusive historiadores persas. No primeiro contato entre Leônidas e Xerxes, como era de praxe ocorrer, a fim de verificar se era possível evitar o combate, o persa lhe disse: “Vocês não têm qualquer chance, somos tantos que quando atacarmos nossas flechas eclipsarão o sol!”. Sem alterar a expressão em seu rosto, Dieneks respondeu: “Então combateremos à sombra.” Xerxes deu então o ultimato: “Entreguem suas armas.” Leônidas(significa Leão) redargüiu com tranqüilidade: “Molon Lave!” (Venha pegá-las!).
Aquele local nas Termópilas fora estrategicamente escolhido por ser estreito, de forma a anular a grande superioridade numérica dos persas. As linhas de batalha que colidiam eram limitadas. A única questão era que a reposição dos persas era interminável, enquanto os espartanos sofreriam praticamente não teriam reposição nas linhas. Mas, dois ou três dias que retivessem o inimigo naquele ponto já seriam essenciais para a sorte da Grécia.
Quando os persas se agruparam para o embate, e suas trombetas ressoaram de além do Estreito, cobrindo toda a planície, Leônidas disse a seus homens, com um largo sorriso: “Comam um bom desjejum, homens, pois hoje jantaremos no Hades.”
Antes do primeiro embate, nas fileiras do inimigo, os soldados começaram a bater as hastes de suas lanças sobre o bojo de seus escudos de bronze, gerando um tumulto que os espartanos chamavam de pseudoandreia. Outros reforçaram a barulheira impelindo, como na guerra, as pontas de suas lanças para o céu e emitindo súplicas aos deuses, e gritos de ameaça e raiva. A gritaria triplicou, aumentou cinco, dez vezes, enquanto a retaguarda e o flanco captavam o clamor e contribuíam com os seus próprios brados e batidas no bronze. Em breve, todo o destacamento estava bradando o grito de guerra. Seu comandante impeliu sua lança à frente e a massa surgiu atrás dele, no movimento de avançar.
Os espartanos não se moviam nem emitiam qualquer som. Aguardavam pacientemente em suas posições, com seus mantos escarlate — que tinham por objetivo evitar que o inimigo visse que estavam sangrando —, nem sombrios nem rígidos, apenas trocando, calmamente, palavras de encorajamento e estímulo, nos preparativos finais para a ação que haviam ensaiado centenas de vezes em treinamento e realizado muitas vezes mais em combate.
Era comum que nesse momento se entoassem canções, o que além de dar tranqüilidade aos homens, dava ainda mais medo ao inimigo, que teria de enfrentar um exército que cantava antes de uma batalha de morte.
Quando iam para cada batalha, os espartanos traçavam seus nomes ou sinais sobre os braceletes improvisados de galhos que chamavam de “etiquetas”, que distinguiriam seus corpos caso, mortos, fossem mutilados de modo medonho demais para serem identificados. Metade, a “metade sangue”, era amarrada no pulso, enquanto a outra metade, “metade vinho”, era deixada num cesto. Usavam galhos porque não tinham valor como saque para o inimigo. Ao voltar, coletavam as “etiquetas”, as que não fossem procuradas na cesta, identificavam os mortos.
Esse talvez fosse o pior de todos os momentos na guerra. Mesmo aqueles que se haviam mantido em total controle durante o combate agora podiam se soltar e até chorar, tanto em reverência aos camaradas perdidos, quanto como uma forma de purgação do medo (hesma phobou, ou “extravasando o medo”).
Em nenhum momento, aqueles duros soldados perdiam o carinho e a ternura, o que nada tinha de efeminado, ao contrário, era considerado uma qualidade essencial de um guerreiro, como sinal de bondade, que sempre deve estar junto com a força. Nos momentos finais, antes da batalha, trocavam escudos com os aliados Téspios, como sinal de respeito de quem lutou lado a lado e iria morrer lado a lado.
Nas Termópilas lutaram apenas os lacedemônios da classe superior, totalmente espartanos, Pares ou Iguais (homoioi), não havia ninguém da classe dos Cavalheiros Comissionados (perioikoi), espartanos subordinados que não gozavam de total cidadania, ou aqueles recrutados nas cidades lacedemônias próximas. Porém, quando o final da batalha se aproximava, e os oficiais espartanos sobreviventes se tornaram tão poucos que já não compunham uma frente de luta, um certo “elemento de fermentação”, de escravos libertos, carregadores de armaduras e escudeiros, tiveram permissão para ocupar os espaços vagos e lutar.
Os oficiais tinham como obrigação, além do comando, socorrer e cuidar de seus homens, impedir que aqueles sob o seu comando, em todos os estágios da batalha — antes, durante e depois —, fossem possuídos pela katalepsis. Tinham que atiçar sua bravura quando esmorecia e refrear sua fúria quando ela ameaçava tirar-lhes o controle. Esses homens usavam o elmo de crista cruzada de um oficial, para distingui-los no campo de batalha.
Esse trabalho poderia ser resumido numa frase: “realizar o comum sob condições incomuns”.
Os Trezentos resistiram seis dias nas Termópilas, impondo aos persas baixas impressionantemente grandes, em proporção ao seu número. Foram finalmente dizimados porque um grego chamado Efialtes os traiu, mostrando aos persas uma trilha secreta usada pelos pastores de cabras, que circundava o desfiladeiro, permitindo aos persas surpreender os espartanos pela retaguarda. Já combalidos, em pequeno número e com duas frentes de batalha, todos que estavam nas Termópilas foram mortos.
O próprio rei Xerxes reconheceu o valor de seus oponentes ao afimar: “Até as rochas são testemunha da coragem humana, glória e resistência desses espartanos.”
Essa batalha permitiu aos atenienses que evacuassem a cidade, em seus navios, deixando para Xerxes, quando lá chegou, apenas uma cidade fantasma. Os gregos se reagruparam e, na batalha marítima de Salamina, que impediu a chegada de víveres e reforços para os contingentes de Xerxes, e na batalha terrestre de Platéia, em que os persas tiveram de se defrontar com uma verdadeira falange de espartanos, da qual tinham recebido apenas uma pequena amostra nas Termópilas, conquistaram a vitória sobre o poderoso inimigo persa.
Um rei espartano se perdeu em batalha, o que não ocorria havia mais de seiscentos anos, mas o oráculo se cumpriu: “Ou Esparta perderia um rei em combate, calamidade que não acontecia há seiscentos anos, ou a cidade cairia.”
Esse episódio da história ainda hoje é guardado e contado como um exemplo comovente para os povos livres do mundo do que alguns homens podem conquistar quando se recusam a se submeter à tirania.
Quem hoje visitar o local das Termópilas, encontrará uma estela de pedra, já quase apagada pelo tempo, esculpida com a frase:

“O xein angellein Lakedaimoniois hoti tede
keimetha tois keinon rhemasi peithomenoi”.

“Digam aos espartanos, estranhos que passam,
Que aqui, obedientes às suas leis, jazemos.” (tradução livre)

“A guerra, não a paz, produz a virtude. A guerra, não a paz, purga o vício. A guerra, e a preparação para a guerra, suscita tudo que é nobre e digno em um homem. Une-o a seus irmãos e os liga em um amor altruísta, erradicando no cadinho da necessidade tudo que é vil e ignóbil. Ali, no moinho sagrado do assassínio, o homem mais vil pode buscar e encontrar essa parte de si mesmo, oculta sob a corrupção, que reluz intensa e virtuosa, digna de honra diante dos deuses. Não despreze a guerra, efebo, nem imagine que a misericórdia e a compaixão sejam virtudes superiores a andréia, à bravura viril”. (Steven Presfield – Portões de Fogo, 1998)

Voltar